domingo, 11 de dezembro de 2011



Celebrar o Dia Internacional dos Direitos Humanos



Enquanto a cor da pele for mais importante do que o brilho dos olhos existirá guerra.

          Mafalda Martins e Rita Raposo- 7º4ª




sábado, 10 de dezembro de 2011

Reflexão


            Desde sempre, tenho ouvido dizer que as crianças são o melhor que há no mundo. Elas são puras, simples e adoráveis.
            A sua educação é algo fundamental. A verdade é que os pais/família têm o dever de as acompanhar, ao longo da sua infância e adolescência. Pais ausentes, que atiram apenas para a escola a responsabilidade de educar os seus filhos, deviam ser responsabilizados por esta sua atitude. As crianças/adolescentes precisam de sentir que alguém se interessa por eles, que lhes impõem algumas regras, que alguém esteja lá quando precisam de partilhar alegrias, tristezas ou dificuldades. Viver sem o controlo de um adulto poderá ser meio caminho andado para uma vida sem objectivos, sem sonhos, sem organização, sem valores…
            A meu ver, as crianças também não podem ser o centro de todas as atenções. A família não pode viver em função dos seus desejos e birras. Isso só fará com que as crianças pensem que são os donos do mundo. Há que marcar limites e fazer-lhes ver que se têm direito ao amor, à atenção e ao bem-estar, também têm alguns deveres, como por exemplo, respeitar, obedecer e cumprir as suas tarefas.
            O amor, a atenção, as regras, as críticas, os conselhos dos pais/família são, na minha opinião, elementos essenciais para que, na vida futura, a criança seja um adulto equilibrado, responsável e bem sucedido.




Ricardo Amaral
Nº26      10º8

domingo, 23 de outubro de 2011

A Leitura como Alma do Mundo

A leitura é uma seca? Ler é chato? Isso são preconceitos infundados. Há um ditado popular - muito terra-a-terra, como é hábito dos ditados - que reza que quem sabe da tenda é o tendeiro. Assim, também apenas quem lê pode dizer se ler é ou não uma seca. Eu, pessoalmente, acho que pode ser bastante molhado...há livros que até nos arrancam lágrimas! 

Em todo o caso, o problema não se fica por aqui. Estas frases-feitas acerca da leitura são totalmente infundadas, mas isso não impede que se espalhem como uma doença. Às tantas, já se torna uma moda dizer que ler é uma seca, o que acaba por fazer com que se afastem da leitura todo um universo de possíveis leitores que, apesar de até terem em si o bichinho da leitura, não se atrevem a deixá-lo florescer porque não querem sair da moda. Há que romper com preconceitos e tomar consciência do que nós próprios somos. Somos apenas uns míseros seguidores de modas? Ou somos algo mais? Terá o nosso espírito profundidade suficiente para ser diferente e aceitar a diferença, para não aderir a algo só por não ter fibra para suficiente para defender sozinho um dado ponto de vista? 

Nunca é demais lembrar que a leitura não é um fardo, é um dom. A arte de ler não é senão sublime. Acho que para que isto seja bem entendido, é forçoso tentar explicar o que é, de facto, o acto de ler. É perturbador perceber-se que algo tão belo está sempre - falsamente - associado a "coisas que não interessam". Cuidam as pessoas que a literatura é apenas manuais de instruções ou livros de escola? Para já, há livros de escola muito interessantes, mas passemos adiante. 

Na literatura, encontra-se muito mais do que um infindável obstáculo; o texto escrito é muito mais que uma prova de obstinação; a palavra escrita tem um propósito e um significado. Através de histórias e livros, percebemos tudo muito melhor, conhecemos o produto da experiência de outrem, recebendo o que há de melhor e ficando de sobreaviso para o que é pior. Nada existe no Universo que não possa ser expresso através de palavras. Não digo contido em palavras, porque há coisas que não cabem nos vocábulos que existem, apesar da sua variedade - por exemplo (ou eu assim o encaro), toda a expressão de sentimentos humanos mais elevados faz-se através de metáforas, pois não há termos onde caiba...o sentir humano ultrapassa a linguagem falada ou escrita. No entanto, esse "código" metafórico é susceptível de ser interpretado por todo aquele que já tenha passado por algo semelhante. Podemos dizer que coisas como o Universo, a vida, etc, têm uma linguagem própria - é a verdade -, mas no interior de um bom livro podemos encontrar tudo isso, quanto mais não seja, o pálido reflexo de todas essas realidades transcendentes formado pelo seu impacto em que escreve. A leitura é a alma do Mundo, tal como a alma de um ser humana, não contém tudo acerca do ser a quem pertence, mas contém de tudo um pouco...é...um dicionário.

Para terminar, um conselho: nunca desprezem os livros, eles são nossos amigos, sussurram-nos ao ouvido coisas que ninguém mais nos pode dizer de forma tão directa, coisas de uma riqueza e beleza singulares. E têm uma música própria. Cabe-nos a tarefa de a ouvirmos e de lhe prestarmos a devida atenção

Tomás Vicente nº27 11º3ª

sábado, 22 de outubro de 2011

Ranking do Português

Soube-se há poucos dias que a nossa escola ficou em primeiro lugar no Ranking do Português do Ensino Básico, o que, naturalmente - e com razão! -, nos deixa a todos muito orgulhosos. Numa época em que, frequentemente, as classes mais jovens optam por, quase deliberadamente, mutilar a língua com o uso que dela fazem, é reconfortante saber que a nossa escola constitui uma excepção...ou, pelo menos, os resultados obtidos assim o mostram. 

Parece que, afinal, a despeito de algumas coisas que se ouvem nos corredores, frases fugidias que em que nem sempre o verbo concorda com o sujeito (e mais outras características peculiares), na Escola Secundária de Vergílio Ferreira ainda se fala (e, espera-se, falar-se-á durante muito tempo) bom português. Não é à toa que o nosso patrono é este grande escritor! 

domingo, 16 de outubro de 2011

Uma Crónica de José Luís Peixoto...

Na sua última crónica publicada pela revista Visão, na semana passada, o escritor José Luís Peixoto realça o valor e a importância dos Professores no Presente e no Futuro. Eles são a  Esperança.
O escritor lembra-nos a importância do nosso papel se, por ventura, nesta conjuntura economicista, alguma vez o tivéssemos esquecido.


Um ataque contra os professores é sempre um ataque contra nós próprios, contra o nosso futuro. Resistindo, os professores, pela sua prática, são os guardiões da esperança.

O mundo não nasceu connosco. Essa ligeira ilusão é mais um sinal da imperfeição que nos cobre os sentidos. Chegámos num dia que não recordamos, mas que celebramos anualmente; depois, pouco a pouco, a neblina foi-se desfazendo nos objectos até que, por fim, conseguimos reconhecer-nos ao espelho. Nessa idade, não sabíamos o suficiente para percebermos que não sabíamos nada. Foi então que chegaram os professores. Traziam todo o conhecimento do mundo que nos antecedeu. Lançaram-se na tarefa de nos actualizar com o presente da nossa espécie e da nossa civilização. Essa tarefa, sabemo-lo hoje, é infinita.
O material que é trabalhado pelos professores não pode ser quantificado. Não há números ou casas decimais com suficiente precisão para medi-lo. A falta de quantificação não é culpa dos assuntos inquantificáveis, é culpa do nosso desejo de quantificar tudo. Os professores não vendem o material que trabalham, oferecem-no. Nós, com o tempo, com os anos, com a distância entre nós e nós, somos levados a acreditar que aquilo que os professores nos deram nos pertenceu desde sempre. Mais do que acharmos que esse material é nosso, achamos que nós próprios somos esse material. Por ironia ou capricho, é nesse momento que o trabalho dos professores se efectiva. O trabalho dos professores é a generosidade.
Basta um esforço mínimo da memória, basta um plim pequenino de gratidão para nos apercebermos do quanto devemos aos professores. Devemos-lhes muito daquilo que somos, devemos-lhes muito de tudo. Há algo de definitivo e eterno nessa missão, nesse verbo que é transmitido de geração em geração, ensinado. Com as suas pastas de professores, os seus blazers, os seus Ford Fiesta com cadeirinha para os filhos no banco de trás, os professores de hoje são iguais de ontem. O acto que praticam é igual ao que foi exercido por outros professores, com outros penteados, que existiram há séculos ou há décadas. O conhecimento que enche as páginas dos manuais aumentou e mudou, mas a essência daquilo que os professores fazem mantém-se. Essência, essa palavra que os professores recordam ciclicamente, essa mesma palavra que tendemos a esquecer.
Um ataque contra os professores é sempre um ataque contra nós próprios, contra o nosso futuro. Resistindo, os professores, pela sua prática, são os guardiões da esperança. Vemo-los a dar forma e sentido à esperança de crianças e de jovens, aceitamos essa evidência, mas falhamos perceber que são também eles que mantêm viva a esperança de que todos necessitamos para existir, para respirar, para estarmos vivos. Ai da sociedade que perdeu a esperança. Quem não tem esperança não está vivo. Mesmo que ainda respire, já morreu.
Envergonhem-se aqueles que dizem ter perdido a esperança. Envergonhem-se aqueles que dizem que não vale a pena lutar. Quando as dificuldades são maiores é quando o esforço para ultrapassá-las deve ser mais intenso. Sabemos que estamos aqui, o sangue atravessa-nos o corpo. Nascemos num dia em que quase nos pareceu ter nascido o mundo inteiro. Temos a graça de uma voz, podemos usá-la para exprimir todo o entendimento do que significa estar aqui, nesta posição. Em anos de aulas teóricas, aulas práticas, no laboratório, no ginásio, em visitas de estudo, sumários escritos no quadro no início da aula, os professores ensinaram-nos que existe vida para lá das certezas rígidas, opacas, que nos queiram apresentar. Se desligarmos a televisão por um instante, chegaremos facilmente à conclusão que, como nas aulas de matemática ou de filosofia, não há problemas que disponham de uma única solução. Da mesma maneira, não há fatalidades que não possam ser questionadas. É ao fazê-lo que se pensa e se encontra soluções.
Recusar a educação é recusar o desenvolvimento.
Se nos conseguirem convencer a desistir de deixar um mundo melhor do que aquele que encontrámos, o erro não será tanto daqueles que forem capazes de nos roubar uma aspiração tão fundamental, o erro primeiro será nosso por termos deixado que nos roubem a capacidade de sonhar, a ambição, metade da humanidade que recebemos dos nossos pais e dos nossos avós. Mas espero que não, acredito que não, não esquecemos a lição que aprendemos e que continuamos a aprender todos os dias com os professores. Tenho esperança.

José Luís Peixoto

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Sobre Mitologia...na Actualidade


Muita gente pensa, talvez, que a mitologia é algo ultrapassado, uma coisa cujo estudo já não nos proporciona nada. Quem é desta opinião não poderia estar mais enganado, uma vez que cada mitologia nos oferece um conhecimento valioso da maneira como os antigos povos politeístas encaravam o mundo que os rodeava e o próprio ser humano.

As respostas que encontraram para as suas dúvidas estão, em grande parte, reflectidas nas suas crenças, que deram origem a canções, poemas e outros textos. Assim sendo, este é um bem precioso. Além do seu interesse, devido à imagem que nos dá de uma civilização perdida, a mitologia é também um manancial de expressões dos sentimentos humanos através dos tempos que se perpetuam, ao longo dos séculos, em belas histórias cujas páginas parecem estremecer de vida e autenticidade. São, por isso, uma “enciclopédia” do que significou, ao longo das diferentes épocas da História, ser-se humano, ter-se uma consciência de si próprio e carregar sobre os ombros o peso da existência.

Assim, com as suas alegorias e artifícios de deuses, gigantes, demónios, elfos e outros que tais, as lendas antigas podem conceder-nos a bênção de ensinamentos preciosos que devemos estimar e respeitar e valores humanos que, na sua maioria, continuam actuais e são expressão de uma pureza emocional que se tem vindo, em alguns aspectos, a perder, com o tempo e a modernização.

Tomás Vicente nº27, 11º3ª

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

O poeta sueco, Tomas Transtromer, ganhou o prémio Nobel da Literatura 2011


(...) No livro "21 poetas suecos", publicado em 1981 pela editora Vega, uma obra organizada por Vasco Graça Moura e Ana Hatherly, surge o poema "Lisboa", onde o poeta sueco destaca elementos típicos das zonas históricas da capital portuguesa.
"No bairro de Alfama os elétricos amarelos cantavam nas calçadas íngremes/Havia lá duas cadeias. Uma era para ladrões/Acenavam através das grades/Gritavam que lhes tirassem o retrato", escreveu Tomas Tranströmer.
"Mas aqui´, disse o condutor e riu à socapa como se cortado ao meio/´aqui estão políticos'. Vi a fachada, a fachada, a fachada e lá no cimo um homem à janela/tinha um óculo e olhava para o mar", relata o laureado com o Nobel da Literatura 2011.
"Roupa branca no azul. Os muros quentes/As moscas liam cartas microscópicas/Seis anos mais tarde perguntei a uma senhora de Lisboa/´será verdade ou só um sonho meu?´", finaliza o poeta sobre a cidade junto ao Tejo.
Uma passagem pelo Funchal também inspirou Tomas Transtromer, dedicando-lhe um verso onde destaca o mar, a receita atlântica do peixe com tomate e a "língua estranha".

quinta-feira, 6 de outubro de 2011



A galope no vento

O sol acordou de cara alegre. Senti que algo de mágico e inesquecível iria acontecer.
Era muito cedo, mas o meu pai já estava lá fora. Não consegui perceber o que fazia com tanta dedicação… Tentei espreitar mais um pouquinho da janela às bolinhas cor-de-rosa, mas a ânsia era tanta que tive de ir bisbilhotar…
Não queria acreditar quando, ainda meio ensonada, dei por mim, lado a lado com a… Marquesa! Sim, foi assim que ficou. Marquesa era o seu nome.

E fiquei Marquesa! Também nunca vou esquecer a primeira vez que vi a minha cúmplice das corridas sem fim…
Nunca irei esquecer o que sentíamos as duas quando cavalgávamos com o vento e ouvíamos o suave entrelaçar dos meus cascos e da imaginação. Lembro-me também das minhas crinas voarem com a brisa da primavera como andorinhas acabadas de chegar.
Nunca irei esquecer tudo o que passámos juntas… Apesar de ter partido, continuamos sempre as melhores amigas, porque ser amigo, mas amigo de verdade, é assim. Como nós fomos e seremos para sempre.

Mafalda Villa Martins
Nº 16        Turma: 7º 4ª

setembro de 2011

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Base de Dados Cultural!

O Ministério da Educação do Brasil criou um site onde se pode ter acesso a fantásticas digitalizações de obras literárias, a música erudita e a pintura, entre outras coisas...mas este ambicioso projecto (732 obras digitalizadas, só de literatura portuguesa!) vai ser desactivado por desuso! Convida-se a comunidade escolar a explorar este site e a aproveitar as suas instrutivas possibilidades! Talvez com um pouco mais de divulgação e de utilização se possa impedir a perda de toda esta riqueza concentrada num lugar só. Para saber mais, consulta o site:




DESPACHA-TE! A CULTURA NÃO ESPERA POR TI!

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

30 de setembro - Dia do Diploma e Prémio de Mérito - 2010/2011

Começou assim o Dia do Diploma e Prémio de Mérito:
na mesa , a saudar os finalistas e respectivas famílias, estavam presentes a nossa Directora, Dra. Manuela Esperança, a Presidente do Conselho Geral, Dra Mª do Rosário Barros, o Presidente da Associação de Pais, Dr. Pedro Monteiro, a Dra. Maria João, também da Associação de Pais, o Dr. Carlos Veríssimo, adjunto da Direcção, e ainda o Dr. Eduardo Cruz, nosso mais recente "amigo" que se ofereceu para custear os prémios de mérito que, à última hora, o ME resolveu cancelar.

30 de setembro - Dia do Diploma e Prémio de Mérito2010/2011


Alguns alunos do actual 12º ano ofereceram aos colegas que este ano terminaram o secundário um pequeno espectáculo de poesia e música.

30 de setembro - Dia do Diploma e Prémio de Mérito - 2010/2011

Apresentamos as imagens das várias turmas com os respectivos directores de turma no momento da entrega dos diplomas do ensino secundário.
Infelizmente, a data escolhida pelo ME não propicia a presença de mais alunos, pois muitos já iniciaram as aulas na universidade.








                                    
                Os alunos que receberam o Prémio de Mérito, Elisa Abrantes e Diogo Miranda

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Um poema para a nossa biblioteca

Há ainda menos de um ano, foram inauguradas as novas instalações da nossa biblioteca. Este poema foi escrito, um pouco mais tarde, em atenção a esse acontecimento, como uma pequena "nota de rodapé poética" à nova "casa dos livros"...ora leiam...

Novo Lar

As sombras deslizam, delirantes
Da doida alegria da novidade;
Sussurros ocupam o espaço novo,
Transformando-o no seu lar;
As histórias comentam, expectantes
A nova Biblioteca.

Os raios de sol inclinam-se mais, lá fora;
Já não há leitores inoportunos, agora;
Ouve-se a porta a ser fechada
E a chave na fechadura.
Luzes apagadas.

Em poucos minutos as prateleiras
Ficam vazias e os livros, curiosos,
Saem, apressados, a explorar
O seu acolhedor novo lar.

Sossego não há até nascer o dia,
Altura em que o sol,
Com os seus raios madrugadores, os guia
De novo para o conforto do leito de madeira.

Acaba-se a dança da noite,
A chave é rodada e a azáfama começa.
Não há indícios da insone festa sob a lua.
Percorro os corredores entre estantes,
Há calma e paz de espírito.
É novo este sereno lar,
Mas não sinto, porém, a estranheza prevista;
Há por ali um estranha quietude a vogar,
Uma recordação da antiga casa,
Do encanto do que já se perdeu.

Tomás Vicente

domingo, 25 de setembro de 2011

Há Histórias e Histórias...

Histórias há muitas? Não! Há HISTÓRIAS e histórias. Há umas boas, que fazem os olhos voar ao sabor das páginas e a imaginação ao sabor do vento da história; há outras menos boas, um meio-termo, que podem até estar bem escritas, ter um vocabulário rico, uma abordagem interessante mas que, por alguma razão, não nos falam ao coração; há também aquelas que são o "pãozinho sem sal" das bibliotecas e que não aquecem nem arrefecem, são fáceis de ler e nas quais os seus autores não mostram significativo talento; depois há aquelas que já nem merecem, não digo um lugar na prateleira, porque, à semelhança das crianças, os livros não escolhem o conteúdo, que se lhes dê muita atenção, quer sejam tolas ou arrepiantes. E, acima de tudo, há aquelas histórias que ficam na memória para sempre, não importa quantas outras desfilem, depois, à frente dos nossos olhos. Neste texto, quero, acima de tudo, partilhar a opinião que me ficou da leitura de um livro que descobri, o ano passado, na biblioteca da nossa escola. Apesar de, muitas vezes, termos oportunidade de constatar que as prateleiras são, cada vez mais, invadidas por histórias muito pouco enriquecedoras, não se pode dizer exactamente que seja muito difícil encontrar livros realmente bons. Ainda assim, quando requisitei à biblioteca e li o livro Escrito a Lápis, de Margarida Fonseca Santos, fiquei maravilhado. Este é, sem dúvida, um daqueles livros que, depois de lidos, jamais se esquece. A história, de uma rara pureza singela e realista - e, ao mesmo tempo, com um quê de onírico - é uma das mais belas que já li - e, também, uma das mais comoventes!
É raro alcançar-se um livro que exponha tão habilmente a complexidade das relações humanas e a variedade de panos de fundo que as emoções dos seres humanos podem tecer. É raro ler-se um livro, ao mesmo tempo tão terreno e dotado deste alcance formidável e intemporal. Digo intemporal porque, por muito que as expressões do sentir tenham, ao longo dos séculos, evoluído e se tenham diferenciado, o sentir humano não conhece barreiras temporais e atravessa os séculos, intocado, inalterado e imaculado. Neste livro, Margarida Fonseca Santos pinta, em traços firmes e simples, um quadro que nos dá a conhecer a cara e a expressão da verdadeira Amizade e do verdadeiro Amor. Um livro a ser lido e relido, pois tem muito para ensinar a cada um de nós, que, por vezes, com a azáfama dos dias, nos esquecemos do aspecto verdadeiro destes dois conceitos metafísicos que constituem um dos pilares da existência do ser humano enquanto tal. Tomás Vicente, nº 27, 11º3ª

Mia Couto fala sobre o Medo

Mia Couto fala sobre o medo...numa brilhante exposição do tema! Como ele diz, "o medo é um dos nossos primeiros mestres". Muito interessante. Ora vejam...

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Conhecer o escritor Gonçalo M. Tavares

Gonçalo M.Tavares é um dos escritores que vamos convidar para um encontro com os alunos do 12º ano

Um Escritor em Ascensão...

José Luís Peixoto, um escritor em plena ascensão...

sábado, 17 de setembro de 2011

14 de Setembro - Dia da Apresentação

Tal como no ano passado, os  novos alunos de 7º  ano foram recebidos no átrio da entrada, ao som da música do Manuel Sant'Ovaia e com as palavras amigas da nossa Directora.
Estiveram também presentes os directores de turma e a professora bibliotecária.                                                                                      
  


sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Dia 14 de Setembro - Dia da Apresentação

Os alunos do 7º e 10º anos circularam pelos diversos espaços da escola acompanhados do seu director de turma.
Na biblioteca  foram recebidos pela professora bibliotecária e restantes professores da equipa. Ficaram a saber dos projectos previstos para este ano, com relevância para o LER+, dos serviços prestados e das regras a respeitar.


 No átrio da biblioteca, fizeram um jogo de sensibilização à cidadania global orientados pelas nossas
 parceiras do projecto Escola Mundo
     No bar,com as professoras Manuela Matos e Isabel Martins numa actividade de sensibilização
     ao Programa de Educação para a Saúde com direito a um lanchinho saudável

                                                    Jogo no átrio da biblioteca
                                           No bar, com a professora Isabel Martins

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Dia da Escola 28 de Janeiro

Os laboratórios estavam selados...








Os cientistas vieram inaugurá-los

A cientista Dra. Vanda Santos com a professora Maria da Luz



Os alunos do 7º3ª presentes na inauguração

Algum do público estudantil presente




A professora Maria do Carmo, antiga professora de Biologia e a professora Maria da Luz



As professoras de Biologia, Manuela Matos e Paula Serra e a professora Isabel Pereira, das Artes

Boa disposição dos alunos de Biologia



As professoras, Manuela Matos e Maria da Luz e alunos





O cientista Victor Forjaz com as professoras, Maria da Luz e Isabel Pereira


O professor Manuel Pinho e alguns dos seus alunos




Alunos atentos às palavras dos cientistas homenageados


O professor Manuel Pinho, os cientistas, Vanda Santos e Victor Forjaz com os alunos, Bruno e Ronit

Por fim, o almoço de confraternização com a ementa preferida de Vergílio Ferreira




Para celebrar este dia,os professores de Biologia e Geologia desta escola promoveram um colóquio, " Homenagem da Escola Sec. Vergílio Ferreira a Cientistas Portugueses", em que foram homenageados os cientistas, Vanda Santos e Victor Forjaz, que estiveram presentes, bem como Seomara da Costa Primo e Germano da Fonseca Sacarrão, já desaparecidos.

Foram também inaugurados nesta mesma ocasião os novos laboratórios de Biologia e Geologia que passaram a ter os nomes destes cientistas.

Dia da Escola - Clube Europeu







O Clube Europeu, dinamizado pelos professores, Maria de Jesus Ribeiro e Rui Reis, promoveu no Dia da Escola uma conferência sobre a cultura dinamarquesa, com a presença de representantes da Embaixada Dinamarquesa.

Este clube promove diversas actividades cujo objectivo é dar a conhecer aos nossos alunos a realidade sócio-cultural dos diversos países que integram a União Europeia.

Regularmente, são afixados cartazes realizados pelos alunos em que se apresentam informações sobre cada país da União.

Dia da Escola 28 de Janeiro

Apresentamos um filme de celebração da escola, realizado pelas alunas, Joana Cavaco, Leonor Sousa e Paula Pereira.
Simplicidade e eficácia é o que caracteriza este trabalho.